Crizotinib e Ceritinib no tratamento do câncer de pulmão “ALK positivo”. Duas medicações orais mais efetivas que a quimioterapia tradicional.

Com o progresso das ciências médicas e da oncologia, começamos a descobrir que o câncer não á uma doença única, mas diversas doenças com características moleculares diferentes que se manifestam de maneira parecida, com a formação de tumores.

Câncer de pulmão é um exemplo desse tipo de doença. O principal fator de risco para o câncer de pulmão é o fumo, e como o cigarro produz defeitos aleatórios nas células do pulmão o câncer de pulmão é uma doença heterogênea, com muitas alterações moleculares e no DNA das células. Hoje nós já identificamos várias dessas mutações e translocações de genes que causam ou estimulam o câncer de pulmão a crescer. Assim foi possível desenvolver medicamentos específicos para algumas dessas alterações, melhorando o tratamento dessa doença.

Câncer de pulmão, no entanto, também acontece em pessoas que não fumam, mas em muito menor número, em torno de 10% dos casos. Nessas pessoas podem ser identificados defeitos específicos no DNA das células, que não ocorrem com tanta frequência nas pessoas que fumam. Um desses defeitos é a fusão de dois genes conhecida como EML4-ALK, vista aproximadamente em 20% das pessoas com câncer de pulmão que nunca fumaram ou fumaram pouco. Esse defeito do DNA em geral causa câncer em idade mais jovem e dá uma característica específica para a célula cancerosa conhecida como “em anel de sinete”.

A translocação EML4-ALK foi descoberta em 2007. Seis anos depois, em 2013, o primeiro medicamento inibindo esse defeito foi aprovado para uso na prática médica, o Crizotinib (nome comercial Xalkori). O medicamento não só foi mais efetivo que a quimioterapia normal, prolongando a vida das pessoas com câncer de pulmão, como foi mais bem tolerado e fácil de ser tomado, uma vez que é tomado em comprimidos duas vezes ao dia. É importante saber que esse medicamento funciona apenas para pessoas que apresentem a translocação EML4-ALK na biópsia do câncer de pulmão.

Tomografias de tórax mostrando uma redução importante do câncer de pulmão. No painel A, antes do tratamento, nota-se um tumor volumoso no tórax esquerdo, no painel B, após tratamento, quase não se vê mais o tumor.
Tomografias de tórax mostrando uma redução importante do câncer de pulmão. No painel A, antes do tratamento, nota-se um tumor volumoso no tórax esquerdo, no painel B, após tratamento, quase não se vê mais o tumor.

No ano passado, uma segunda medicação da mesma classe foi aprovada, o Ceritinib (nome comercial Zykadia) (veja aqui todas as novas medicações aprovadas para o tratamento de câncer no ano de 2014). Esse medicamento está sendo usado hoje em segunda linha, ou seja, caso o tratamento com Crizotinib pare de funcionar. Se somado o tempo de tratamento com os dois medicamentos, o controle do câncer de pulmão é maior que o dobro do controle conseguido com a quimioterapia tradicional.

Esses dois medicamentos são fruto da pesquisa e do empenho de milhares de pesquisadores, médicos e principalmente pacientes com câncer de pulmão que dedicaram seu tempo, conhecimento e vontade para melhorar o tratamento dessa doença. Hoje fazem oito anos desde o descobrimento da translocação EML4-ALK e nós já temos dois medicamentos. Que venham muitos outros!

Gostou da matéria? Visite aqui nossa página no Facebook. Não esqueça de curtir a página para saber de todas as atualizações do blog!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s